naom_5bb321578d793

Dieta vegetariana pode reduzir risco de AVC em 75%, diz estudo

Está com dúvidas sobre se deve adotar uma dieta vegetariana? Aqui está um bom motivo. Num estudo publicado na Neurology, investigadores da Universidade Tzu Chi em Hualien, Taiwan, concluem que as pessoas cujas dietas consistem principalmente em frutos secos, vegetais e soja podem ter um risco menor de derrame cerebral do que aquelas que comem carne ou peixe.

“O AVC é a segunda causa mais comum de morte em todo o mundo e uma das principais causas de deficiência”, disse o autor do estudo, Chin-Lon Lin, num comunicado citado pela Study Finds. “O derrame também pode contribuir para a demência. Se pudéssemos reduzir o número de acidentes vasculares cerebrais pelas alterações nas dietas, isso teria um grande impacto na saúde pública geral”, acrescenta.

Para chegar aqui, os investigadores analisaram dois grupos de pessoas que viviam em colônias budistas de Taiwan. Aproximadamente 30% dos participantes eram vegetarianos e 25% desse grupo eram homens. No início do estudo, a idade média dos participantes era de 50 anos e nenhum havia sofrido um AVC. Um grupo de 5.050 pessoas foi seguido por uma média de seis anos, enquanto o segundo grupo (8.302 pessoas) por uma média de nove anos.

Pesquisas dietéticas preliminares e exames médicos também foram realizados no início do estudo. Previsivelmente, essas sessões revelaram que os participantes vegetarianos normalmente comiam mais frutos secos, vegetais e soja, bem como menos laticínios, do que os não vegetarianos. Ambos os grupos comeram quase a mesma quantidade de frutas, mas os vegetarianos comeram mais proteínas e fibras vegetais.

A equipe examinou ainda um banco de dados nacional para ver quantos participantes acabaram tendo um AVC durante os períodos de acompanhamento.

Entre o primeiro grupo (5.050 participantes; 1.424 vegetarianos e 3.626 não vegetarianos), os vegetarianos sofreram apenas três acidentes isquêmicos. Isso é comparado a 28 acidentes vasculares cerebrais registrados entre os não vegetarianos. Depois de fazer um ajuste tendo em conta as várias outras condições de saúde (idade, sexo, hábitos de fumar, etc.), os autores dizem que os vegetarianos neste grupo tinham 74% menos probabilidade de sofrer um derrame.

Para o segundo grupo de participantes, um total de 121 acidentes vasculares cerebrais ocorreu. No geral, os vegetarianos sofreram 24 desses derrames, enquanto que os não vegetarianos representaram os 97 restantes. Neste grupo, havia muito mais não vegetarianos do que vegetarianos (5.583 contra 2.719), os autores do estudo ainda concluem que os vegetarianos tinham 48% menos probabilidade de sofrer um AVC (risco 60% menor de AVC isquémico, risco 65% menor de AVC hemorrágico).

Notícias ao Minuto

Sem Comentários

Deixe uma Resposta

*

*