naom_5e1db7255a2ab

Perfil do brasileiro evangélico é feminina e negra, aponta Datafolha

De Edir Macedo a Silas Malafaia, os rostos mais conhecidos do movimento evangélico podem até ser masculinos, e o mais comum é encontrar um pregador homem nos cultos. Já nas filas para pedir bênção e entregar o dízimo são as mulheres que prevalecem neste que é o segundo maior bloco religioso do Brasil, com 31% da população.

Elas respondem por 58% desse naco religioso, seis pontos acima da parcela feminina do país (52%), segundo pesquisa Datafolha feita nos dias 5 e 6 de dezembro de 2019, com 2.948 entrevistados em 176 municípios. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

Entre as congregações neopentecostais, aba evangélica que contempla igrejas como a Universal do Reino de Deus e a Renascer em Cristo, a participação feminina atinge 69%.

A presença das mulheres nos templos evangélicos fica ainda mais evidente se comparada com o catolicismo –ainda a maior crença nacional, embora em contínua retração (preferência de 90% nos anos 1980 e 50% hoje).

Entre adeptos dessa fé, mulheres são 51%, e homens, 49%. Compatível, portanto, com a representação na sociedade.

O universo evangélico é também mais negro que o católico. Somados, os que se declaram pretos ou pardos são 59% no primeiro grupo e 55% no segundo. Já os brancos, no catolicismo, são 36%, contra 30% do outro grande front cristão.

A porção de jovens crentes, como o grupo se autodenomina, é de 19% e pareia com a média nacional, 18%. Já os católicos nessa faixa etária (16 a 24 anos) são mais escassos, 13%.

Quanto mais velho for, maior a chance de preferir o papa a um pastor: 25% da turma com 60 anos ou mais segue a linha do Vaticano, e 16%, a evangélica.

As rendas familiares não diferem tanto assim entre um filão religioso e outro. Quase metade dos dois blocos ganha até dois salários mínimos, e 2% de cada um deles dizem viver com mais de 10 salários mínimos.

É no Norte que essa onda evangélica vem desaguando com mais força. Empatado com o Centro-Oeste como área menos povoada do país, com 8% dos brasileiros cada uma, a região tem a maior proporção de fiéis (39%). O Nordeste tem a menor (27%).

A diarista Paula Melo, 23, agrega vários traços do típico crente brasileiro. Saindo do culto de sábado de uma Assembleia de Deus em Belém, essa paraense parda, que cobra R$ 100 por oito horas “passando roupa de patroa”, mostra orgulhosa sua roupa.

Usa um vestido longo de estampa florida, “coisa fina”, presente de uma mulher que a contrata para desamarrotar robes de seda e vestidos de festa. Filha de católicos, Paula e as duas irmãs migraram todas para igrejas evangélicas.

“Se você não é do mundão [gosta de beber] e é jovem, é o melhor lugar para conhecer um abençoado”, diz, valendo-se de uma gíria para possíveis pretendentes.

Não é só o dinamismo da pregação, que Paula acha mais divertida do que a missa que seus pais a levavam quando criança, que a atrai. Quando o orçamento aperta, é do pastor que recebe uma cesta básica para ter o que dar de comer para o filho bebê, diz.

Alcançar não só capitais mas também áreas mais isoladas do Norte, cujo acesso de barco pode demorar dias, virou um trunfo dos evangélicos na região.

Um vídeo exibido num culto de novembro na chamada Igreja Mãe (a pioneira no Brasil) da Assembleia de Deus exemplifica bem essa relação.

Um garoto com regata onde se lê “live to surf” (viver para surfar) fala que é bom servir a Jesus, após ser batizado no rio de uma comunidade.

A produção mostra, em seguida, um bebê com os braços para cima, numa posição que lembra a de uma oração. Todos os entrevistados agradecem pelo que os missionários lhes levaram: comida, atendimento médico e até mesmo casas novas.

O pastor Honório Pinto comemora: com a ação filantrópica, “mais de 90% dos moradores daquela comunidade nós ganhamos para Jesus”.

Mesmo formando a maioria dos evangélicos, “boa parte das mulheres e dos negros mantém opiniões divergentes das que predominam nas igrejas”, aponta Mauro Paulino, diretor-geral do Datafolha.

“São os segmentos mais críticos ao governo Bolsonaro, que tem apoio explícito dos bispos. Para muitos evangélicos, especialmente os mais pobres, a realidade violenta e carente das periferias se sobrepõe às possíveis orientações políticas dos cultos.”

Na batalha por corações e mentes, não é de espantar que evangélicos locais venham levando a melhor sobre católicos. “Historicamente, o Norte dispõe de pequena presença do clero católico, problema crônico da Igreja que se estende, em menor grau, a outras regiões”, diz o sociólogo Ricardo Mariano, professor da USP que estuda o nicho religioso.

Não à toa, o Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano em 2019, discutiu a ordenação de homens casados (incluindo indígenas) como padres e de mulheres como diaconisas em áreas isoladas, lembra Mariano. É preciso gente para dar conta do recado, e a Igreja Católica está falhando nisso.

“Como fronteira agrícola, mineral e migratória, a região constitui terreno fértil para a prédica pentecostal, é o berço das Assembleias de Deus, alvo de missionários que atuam entre povos ribeirinhos e aldeias indígenas e da ação de diversas igrejas que aproveitaram a difusão dos meios de comunicação e das redes sociais para incrementar seu ativismo religioso.”

Foi na capital paraense, em 1911, que a primeira das Assembleias nasceu, fruto do esforço de dois missionários suecos –que estavam nos EUA quando um membro da igreja deles teria recebido uma revelação divina de que deveriam pregar no Pará.

Não faziam ideia de onde ficava isso. Descobriram em livros e viajaram de Nova York até Belém na terceira classe do navio Saint Clement, em 1910.

No ano seguinte, plantariam as raízes da Assembleia de Deus, hoje a maior das congregações evangélicas do Brasil. Na época, conforme relatos de missionários à época, encararam a fúria de uma sociedade quase 100% católica.

Os primeiros batismos eram feitos em segredo, perto da meia-noite. Até o dia em que anunciaram um evento público à beira do rio.

“Vieram várias centenas de homens e pensavam que, com violência, poderiam impedir o ato sagrado. O líder veio à frente carregando uma cruz. Os poucos crentes que estavam reunidos compreenderam o perigo e temeram que sangue fosse derramado”, rememora o diário “Entre Crentes Pentecostais e Santos Abandonados na América do Sul”, do sueco A.P. Franklin.

Ao ver o líder do protesto sacar um punhal, Gunnar Vingren (1879-1933), um dos fundadores da Assembleia brasileira, teria dito: “Faço somente o que Jesus quer!”. E continuou a batizar paraenses, aos gritos de “miseráveis, comidas de tigres, matem!”.

Mais de um século depois, o pastor Samuel Câmara, atual líder desse primeiro templo assembleiano, afirma que parte do êxito evangélico no Norte tem origem social, claro, mas também divina. “Deus sempre olha para aqueles mais desfavorecidos, isolados. Esse tipo de gente é mais sensível às coisas de Deus.”

Antes de ir embora, a diarista Paula tira de uma bolsinha de pano rosa R$ 30 para o dízimo. “O que mais tenho é amigo gastando o dobro disso em cachaça, cerveja. Sou mais Jesus.”

Notícias ao Minuto

Sem Comentários

Deixe uma Resposta

*

*